O Governo Paulo Alexandre está fazendo todas as mudanças possíveis para economizar às custas dos servidores. Uma das medidas mais cruéis da lista de maldades é a mudança nas regras do nosso adicional de titularidade.

Ao contrário do que muita gente pode pensar, esse ataque atinge a todos, como fica claro nos quadros comparativos no verso.

E por qual motivo a tesoura do prefeito está afiada para cima da categoria? Paulo Alexandre está ampliando a terceirização dos serviços. Hoje são três unidades de saúde comandadas por organizações sociais (OSs): um hospital e duas UPAs. A partir de 2020, Santos terá também o Ambesp e o PS da Zona Leste (que passa a ser UPA) entregue para mais duas entidades privadas.

O prefeito sabe que terceirizar custa muito mais caro e que, por conta do lucro, as empresas “amigas” exigem contratos milionários.

Além disso, o Governo precisa cortar o máximo possível de gratificações de titularidade para poder conceder esse benefício aos funcionários que ocupam cargos comissionados.  Hoje, como têm salários diferenciados, eles não recebem adicional de titularidade. Na proposta de lei que o prefeito encaminhou à Câmara, esse setor passaria a ser contemplado.

É a política do cobertor curto. O que o governo está fazendo é puxar a coberta dos servidores que mais precisam do adicional para complementar os baixos salários para deixar ainda mais quentinhos os profissionais que exercem cargos de confiança do prefeito e que já ganham bem.

Tudo isso já está na Câmara. O projeto foi encaminhado sem qualquer discussão com a categoria. Os vereadores estão de prontidão apenas esperando a voz de comando de Paulo Alexandre para votar a favor do interesse do Governo e contra quem faz a máquina municipal funcionar de verdade.

Veja nos quadros detalhados a seguir como a sua vida vai mudar para pior se os servidores não se unirem para barrar esse ataque. Para ampliar clique na tabela:

Veja como as mudanças afetam cada servidor https://www2.sindservsantos.org.br/wp-content/uploads/Boletim_Especial_Adicional_de_Titularidade.pdf