O episódio envolvendo áudios de ligações telefônicas vazados nas redes sociais, atribuídos ao surfista Picuruta Salazar e ao secretário de Segurança Pública, coronel Sérgio Del Bel, ilustram muito mais do que mais uma carteirada contra funcionários da Guarda Municipal.

O fato (leia aqui) expõe para toda a categoria do serviço público o que vai passar a acontecer cotidianamente com qualquer servidor que tentar executar suas funções corretamente, caso a Proposta de Emenda Constitucional da Reforma Administrativa (PEC 32/2020) seja aprovada no Congresso Nacional.

Hoje, as garantias da estabilidade previstas na Constituição dão respaldo legal para os servidores cumprirem suas funções públicas, não importando se as mesmas desagradam alguns indivíduos, sejam eles influentes politicamente ou não.

Se o pacote arrasador do serviço público elaborado pelo Governo de Jair Bolsonaro passar, será o fim dos concursos públicos. Servidores qualificados serão substituídos por indicações pessoais e políticas.

Não haverá estabilidade e os profissionais de todas as áreas da administração pública deixarão de executar políticas de interesse público para atuar como bonecos teleguiados pelos que detém poder político e econômico no momento.

Não apenas desembargadores e surfistas vão desrespeitar o trabalho dos funcionários. O assédio será generalizado inclusive por parte das chefias. De prepostos do Estado, os trabalhadores passarão a ser prepostos de políticos e empresas.

A Reforma Administrativa também facilita mais ainda a privatização e a terceirização. Consequentemente, mais corrupção, caixa 2 e rachadinhas. Saúde, Educação, Assistência Social e demais áreas estratégicas ficarão cada vez mais precarizadas.

Somente o profissional de carreira (os governos passam e ele permanece) pode exercer e desenvolver de forma autônoma ações que realmente visem o aumento contínuo da qualidade no atendimento.

Por isso, mais do que lamentar as carteiradas do momento, é hora dos servidores municipais, estaduais e federais se unirem para resistir contra mais esse duro ataque.

PARTICIPE DOS ATOS EM SANTOS E NAS DEMAIS CIDADES DA BAIXADA E DIGA NÃO À REFORMA ADMINISTRATIVA