Os funcionários dos Correios da Baixada Santista e Vale do Ribeira decidiram encerrar a greve. Em assembléia realizada na manhã desta segunda-feira na Praça Mauá, em Santos, eles aceitaram o acordo firmado no sábado pelo Ministério das Comunicações, a Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) e lideranças sindicais. Com isso, o serviço retornará ao normal a partir das 8 horas desta terça-feira.
 
A paralisação nacional começou em 1º de julho. Durante todo o dia, trabalhadores dos Correios participam de assembléias para decidir sobre o fim ou não da greve. A orientação da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresa de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) é para que os funcionários encerrem a paralisação.
 
A assessoria de imprensa da empresa confirmou que, até o meio-dia, trabalhadores do Ceará, Maranhão, Paraíba, Piauí e interior de São Paulo encerraram a paralisação. Outros sindicatos que aderiram à greve realizam assembléias nesta segunda-feira.
 
Acordo
 
O ministro das Comunicações, Hélio Costa, disse que foi fechado um entendimento para não haver o desconto do salário pelos dias parados. “Vamos substituir as horas paradas por um banco de horas”. O acordo contempla ainda as gratificações para os funcionários. Os carteiros receberão uma gratificação de 30% do salário, enquanto os atendentes e os motoristas receberão R$ 260,00. O impacto é de R$ 10 milhões por mês.
 
Os sindicatos seguirão discutindo com os Correios o Plano de Cargos, Carreiras e Salários, que é outra reivindicação da categoria.
Desde o início do mês, quando os trabalhadores cruzaram os braços, mais de 130 milhões de correspondências ficaram retidas. Os serviços Sedex 10, Sedex Hoje e Disque Coleta foram suspensos. Segundo o ministro, os serviços devem estar normalizados em 15 dias.