Foto do Bolsonaro abraçado com o Paulo Alexandre, ambos gargalhando, com o texto: "Granada no bolso do inimigo - PARTE 1" (Foto: Fernanda Luz)

O governo de Bolsonaro se aproveitou da situação de pandemia causada pelo COVID-19 e colocou em andamento a “granada no bolso” dos servidores, na base do troca-troca: condicionou um Auxílio Emergencial em dinheiro a uma série de medidas contrárias ao serviço público e aos servidores.

Aproveitando-se desta situação criada por Bolsonaro, o prefeito Paulo Alexandre não teve dúvidas e rapidamente decidiu puxar o pino da “granada”: fez um Projeto de Lei que autoriza o CALOTE da prefeitura, que deixa de pagar a sua parte ao IPREV Santos até Dezembro deste ano.

Além do calote no dinheiro do repasse, a dívida de cerca de 20 MILHÕES de reais que a Prefeitura tinha com o IPREV e que estava parcelada em 60 vezes (5 anos) também terá o pagamento SUSPENSO.

Ou seja, o prefeito Paulo Alexandre está AUMENTANDO A DÍVIDA com as futuras aposentadorias dos servidores, aumentando o risco de sofrermos outro CALOTE por parte dos futuros prefeitos de plantão.

Vamos lembrar o que ocorreu e o tamanho do buraco que Paulo Alexandre está nos empurrando:

  • No final de 2015, Paulo Alexandre aprovou uma Lei que diminuiu o repasse do déficit técnico de 6% para 2% (Lei Complementar 914/2015), o que custou ao IPREV cerca de R$ 20 MILHÕES anuais. Este valor que foi retirado do nosso sistema de aposentadoria hoje somaria mais de 85 MILHÕES de reais, sem contar o reajuste de inflação e retorno de investimentos feito pelo IPREV. Na época, a alegação do prefeito era que o IPREV era superavitário;

  • Em 2016 o Prefeito iniciou um calote ao IPREV no meio do ano. Somente após a luta dos servidores aposentados e da ativa ele retomou os pagamentos e, ao final, parcelou uma dívida que já estava em mais de 20 MILHÕES de reais em 60 vezes (5 anos), novamente formulando uma lei (Lei Municipal 3326/2016);

  • Em 2017 criou um “fundo especial” (Lei Complementar 974/2017) que, apesar do nome bonito, na prática serve para utilizar dinheiro da contribuição dos servidores (e que deveria ser investido pelo IPREV) para pagamentos que a Prefeitura deveria realizar aos servidores aposentados. O ESTRAGO que isto causou aos investimentos e às futuras aposentadorias é difícil até de ser calculado, tamanho o prejuízo;

  • Em 2019, Bolsonaro, Paulo Alexandre e os vereadores aprovaram a Reforma da Previdência que aumentou a contribuição dos servidores em 2%, passando de 12 para 14%;

  • Em 2020 Paulo Alexandre adere ao plano da GRANADA NO BOLSO, arquitetado pelo governo Bolsonaro, ameaçando mais uma vez o futuro dos trabalhadores do serviço público, únicos responsáveis pelo atendimento à população que necessita das políticas públicas em Saúde, Educação, Desenvolvimentos Social, Obras, Cultura, Esportes, Turismo, Planejamento Urbano, Habitação etc etc.

Além da luta diária, é necessário desde já uma campanha contra quem Paulo Alexandre pretende que seja seu sucessor!

Servidor, NÃO VOTE nos candidatos dos partidos e projetos políticos que estão diminuindo o seu salário e colocando em risco o presente e o futuro de sua família!