Está faltando equipamentos para os servidores da saúde nas unidades e até no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Foto: NAIR BUENO/DIÁRIO DO LITORAL

O Sindserv fez até um vídeo alertando os servidores sobre a necessidade do uso dos EPIs e também de reivindicá-los

Por Carlos Ratton (Diário do Litoral)

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Santos (Sindserv) está realizando uma fiscalização para detectar a falta de insumos básicos e equipamentos de Proteção Individual (EPIs) aos funcionários da saúde que atendem nos equipamentos públicos de Santos. O Sindserv já havia recebido informações dos servidores, mas a reportagem do Diário, publicada na última sexta-feira (20), tornou pública a questão.

O Sindserv fez até um vídeo alertando os servidores sobre a necessidade do uso dos EPIs e também de reivindicá-los. A preocupação está relacionada à falta de máscaras, álcool em gel, óculos de proteção, tocas, aventais e luvas para todos os que trabalham nas unidades de Pronto Atendimento (UPAS), unidades de Saúde da Família (Usafas), prontos-socorros em geral e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). A Prefeitura garante fornecimento (ver nessa reportagem).

À frente da ação do Sindserv estão os diretores Cássio Canhoto e Alexandre Manete que, no vídeo, reafirmaram a falta de equipamentos em algumas unidades. “A falta de EPIs não está restrita somente a médicos e enfermeiros, mas também a auxiliares, recepcionistas, assistentes sociais, profissionais da limpeza, motoristas enfim, todos que tem relação direta com a área da Saúde”, completou Canhoto ontem, por telefone.

ÁUDIO

O Diário descobriu a situação regional por conta de um áudio, obtido com exclusividade na última quinta-feira (19), da secretária de Saúde de Peruíbe, Mariana Trazzi. Ela questionava a possível escassez de máscaras.

“Esta história de máscara está dando muito o que falar. Se liberarmos máscaras de três em três horas como recomendado, vamos ficar sem. Vamos reter máscaras e não haverá uso até segunda ordem. Não podemos liberar pois seria um ato irresponsável e todos os secretários da região seguem a mesma conduta”, revelou em áudio, cuja autenticidade foi confirmada pela Prefeitura.

A Prefeitura de Santos garante que os funcionários contam com EPIs e já solicitou o repasse de mais itens aos governos estadual e federal, em conjunto com as demais prefeituras da Baixada Santista dentro do Plano de Contingência Regional, para reforçar os estoques.

Além disso, a Secretaria de Saúde também tem feito compras emergenciais, mas encontra dificuldades de fornecimento devido à grande procura no mercado.

Alerta ainda que a Saúde conta com cerca de 3,5 mil servidores em todas as unidades e serviços de atendimento, sendo que dois mil deles atuam nas 32 policlínicas e unidades de pronto atendimento e que três mil máscaras N-95 foram adquiridas pelo Município por meio de ata de registro de preços e estão sendo repassadas às policlínicas para uso pelos profissionais de saúde no atendimento de casos suspeitos.

Procurada pela Reportagem, a Secretaria de Saúde de Peruíbe esclarece que a secretária não gravou o áudio com o objetivo de expor preocupação sobre a quantidade de insumos para assistir os profissionais de saúde ou para os futuros pacientes do Coronavírus.

“O município tem 588 funcionários no setor e possui a quantidade necessária de EPIs para atender os profissionais que necessitarem, por estar em contato com pacientes com suspeita ou diagnóstico de Coronavírus”, conclui nota, enfatizando que fluxos de atendimentos estão sendo planejados para melhor assistir a equipe de saúde e também a população.

CUBATÃO E PRAIA GRANDE

Em Cubatão, a Administração informou que além das quantidades de EPIs usados rotineiramente, realizou a aquisição de máscaras e demais insumos devido à emergência. “Esses EPIs chegarão no início da próxima semana e estarão à disposição das equipes de acordo com a necessidade de cada atendimento. Também está sendo realizado um reforço voltado ao uso racional, higienização adequada e formas corretas de colocação, retirada e descarte”, afirma nota.

A Prefeitura de Praia Grande informa que, de forma estratégica e reforçando o planejamento municipal, a Secretaria de Saúde Pública (Sesap) da Cidade já conta com estoques de materiais, como máscaras e luvas, que podem ser utilizados pelos profissionais em possíveis atendimentos relacionados ao Covid-19. “A rede municipal não sofrerá nenhum tipo de impacto se casos ligados a pandemia vierem a ser confirmados.

SÃO VICENTE E GUARUJÁ

São Vicente informa que os funcionários da saúde estão recebendo os EPIs. Neste momento, não há falta dos insumos. A Cidade mantém 1.981 profissionais em atividade.

Em Guarujá, tudo normal, mas só há estoque de máscaras por 15 dias. Não há previsão de novo recebimento. Álcool gel, o estoque suporta três meses e já foi pedido reforço. A Saúde possui 1,6 mil servidores. As prefeituras de Bertioga, Mongaguá e Itanhaém não se manifestaram.