Queda era previsível, segundo o ex-vereador Marcelo Del Bosco (PPS) e o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Santos (Sindserv)

Por jornal Diário do Litoral

Parte do forro de gesso ficou espalhado entre materiais de limpeza e cadeiras que são utilizadas para espera de pacientes. Não havia ninguém no momento da queda Foto: Reprodução/Facebook Sobreviver em Santos

Parte do forro de gesso ficou espalhado entre materiais de limpeza e cadeiras que são utilizadas para espera de pacientes. Não havia ninguém no momento da queda
Foto: Reprodução/Facebook Sobreviver em Santos

A queda do forro de uma área próxima ao Centro Cirúrgico do Complexo Hospitalar da Zona Noroeste Doutor Arthur Domingues Pinto, que envolve a Maternidade Silvério Fontes e o Pronto-Socorro, em Santos, era previsível, segundo o ex-vereador Marcelo Del Bosco (PPS) e o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Santos (Sindserv). E não é o único problema na unidade.

Segundo reportagens do Diário, há tempos que pacientes se queixam da falta de insumos e profissionais das mais diversas áreas da Medicina, principalmente médicos pediatras, num complexo que atende não só pacientes de da Zona Noroeste, mas também de São Vicente e outras cidades da região.

Em seu perfil, Del Bosco comentou o acidente: “o retrato mais claro do descaso com a população de Santos. Por inúmeras vezes, na Câmara ou durante a campanha eleitoral, apontei os problemas que eram denunciados dentro da unidade de saúde. Infelizmente, todos nós sabíamos que um dia isso iria ocorrer e não foi por falta de aviso”.

O jornalista Moysés Fernandes, que concorreu como vice de Del Bosco, também se manifestou, só que de forma irônica: “hoje (ontem) pela manhã, ainda em meio às festas de comemoração dos 471 anos de Santos, o teto do hospital da Zona Noroeste desabou e para sorte dos pacientes e funcionários públicos, não havia ninguém no local na hora do desastre. Mas não esqueçam que amanhã (hoje) tem show da Maria Rita. Vamos seguir os festejos!!”.

O acidente de ontem, ocorrido por volta das 6h30, denunciado pela página Sobreviver em Santos, no do Facebook, já vinha sendo alertado há pelo menos dois anos, tempo que o Sindserv passou enfatizando a quantidade de problemas nas instalações. Felizmente, não houve vítimas.

Parte do forro de gesso ficou espalhado entre materiais de limpeza e cadeiras que são utilizadas para espera de pacientes.

Prefeitura

Secretaria de Saúde informou que, em decorrência das fortes chuvas que acometeram a cidade nos últimos dias, houve acúmulo de água na laje do Complexo Hospitalar da Zona Noroeste.

A equipe de manutenção da Subprefeitura da Zona Noroeste foi acionada rapidamente e iniciou vistoria. O objetivo é verificar se há mais pontos onde a manutenção se faz necessária.

Os trabalhos de reposição de gesso também foram iniciados e o atendimento à população no Complexo da Zona Noroeste segue normalmente. O secretário Fábio Ferraz, em entrevista à Imprensa, garante que não falta material e nem equipes no Hospital.