Falta de manutenção prejudica atendimento, funcionários e leva riscos para todos

Por MAURÍCIO MARTINS (jornal A Tribuna)

Casarão do Naps, na Av. Conselheiro Nébias, está com problemas (Foto: Divulgação/Sindserv)

Casarão do Naps, na Av. Conselheiro Nébias, está com problemas (Foto: Divulgação/Sindserv)

O casarão no número 325 da Avenida Conselheiro Nébias, na Vila Mathias, em Santos, está em péssimas condições. Paredes descascadas, telhado danificado, infiltrações, rachaduras e buracos nos pisos interno e externo, além de muito mato. Embora pareça abandonado, abriga o Núcleo de Apoio Psicossocial (Naps) II, da Prefeitura. É nesse espaço que são acolhidos e tratados pacientes com transtornos mentais e usuários de drogas.

A escada de acesso à entrada principal está interditada. Em meio à falta de manutenção, os trabalhadores tentam continuar o serviço como podem. Mesmo que seja necessário entrar no local pelo porão e trabalhar sem ar-condicionado ou nem mesmo um ventilador.

O mau estado de conservação dessa e de outras unidades do Naps na Cidade já foi alvo de reclamações do Sindicato dos Servidores Públicos de Santos (Sindserv), mas, segundo a instituição, a Prefeitura não está preocupada em resolver os problemas. Outro exemplo da falta de manutenção na rede pública é a queda de parte do teto do Hospital da Zona Noroeste.

“A situação do Naps é deplorável, de completo abandono há muito tempo. Só vem piorando. Isso é resultado do sucateamento que já vem ocorrendo em outras unidades da Prefeitura. Já denunciamos, e esse processo continua”, dispara o diretor do Sindserv, Cássio Canhoto. Para ele, o abandono faz parte de um suposto projeto da Administração Municipal, que pretende justificar a entrega da gestão dos locais para a iniciativa privada.

A Reportagem apurou que serviços essenciais também estão com problemas (Foto: Divulgação/Sindserv)

A Reportagem apurou que serviços essenciais também estão com problemas (Foto: Divulgação/Sindserv)

Outra diretora do Sindserv, Teresa Borges, afirma que o número de funcionários é insuficiente no Naps porque muitos foram afastados com problemas de saúde devido às más condições de trabalho. “Está faltando medicação, não tem psiquiatras suficientes, há uma demanda reprimida muito grande. As pessoas acabam só pegando remédio, não se faz o tratamento que deveria ser feito. Mas a intenção é mesmo sucatear”, acredita ela, ao lembrar que, há dois anos, a Prefeitura promete que o Naps II vai mudar de endereço e nada acontece.

A Reportagem apurou que um serviço essencial de prevenção ao uso de drogas também estaria sem receber verbas e, portanto, seria desativado na Cidade.

Resposta

Sobre os problemas no Naps II, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa que busca um novo local para abrigá-lo.

“As unidades da Saúde Mental serão alvo de melhorias estruturais e redimensionamento de recursos humanos por parte da nova gestão da SMS”, informa.

Em relação ao serviço de prevenção ao uso de álcool e drogas, a secretaria assegura que não será desativado, “sendo este um serviço permanente feito pelas equipes multidisciplinares em todas as unidades de Saúde Mental do Município”.

Danos no imóvel do Naps são visíveis por todos os lados (Foto: Divulgação/Sindserv)

Danos no imóvel do Naps são visíveis por todos os lados (Foto: Divulgação/Sindserv)