Foto da professora Camila Marques com seus alunos em volta. Um deles carrega um cartaz escrito "Prof Camila estamos contigo"

A professora do Instituto Federal de Goiás (IFG) Camila Marques foi presa no dia 15 de abril de 2019 de forma arbitrária e injusta. Agora está sofrendo um Processo Administrativo Disciplinar com risco de perder seu emprego.

O Processo foi aberto pelo reitor da instituição, Jerônimo Rodrigues, e não tem nenhuma sustentação jurídica e nem base legal. É uma tentativa de calar politicamente a professora que é uma das coordenadoras-gerais do SINASEFE (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica).

A prisão em abril deste ano foi feita porque a professora Camila se negou a parar de registrar com seu telefone celular uma abordagem policial truculenta contra seus alunos do campus Águas Lindas de Goiás/GO do IFG.

O SINDSERV Santos reitera o seu total repúdio à perseguição política contra a professora Camila Marques. Não houve nenhuma justificativa plausível para sua prisão e não há nada que justifique a abertura do Processo.